Casa da ONU ganha iluminação laranja para marcar os 16 dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres

Notícias

Casa da ONU ganha iluminação laranja para marcar os 16 dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres

A sede da Organização das Nações Unidas no Brasil – a Casa da ONU Complexo Sérgio Vieira de Mello, em Brasília, terá seu prédio iluminado de laranja de 25 de novembro a 10 de dezembro, para marcar os 16 dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres. A ação é coordenada pela ONU Mulheres e a iniciativa O Valente não é Violento (www.ovalentenaoeviolento.org.br), que mobiliza o Sistema ONU Brasil, na campanha do Secretário-Geral UNA-SE pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

A mobilização anual começou em 1991, quando mulheres de diferentes países, reunidas pelo Centro de Liderança Global de Mulheres (CWGL), elaboraram a campanha dos 16 Dias de Ativismo com o objetivo de promover o debate e denunciar as várias formas de violência contra as mulheres no mundo. O período escolhido para a campanha se inicia no dia 25 de novembro, declarado como o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, e termina no dia 10 de dezembro, no dia Internacional dos Direitos Humanos, vinculando a luta pela não violência contra as mulheres e a defesa dos direitos humanos. 

Dia Laranja - Em julho de 2012, a campanha UNA-SE pelo Fim da Violência contra as Mulheres, do Secretário-Geral das Nações Unidas, proclamou o dia 25 de cada mês como um Dia Laranja. Em todo o mundo, agências das Nações Unidas e organizações da sociedade civil utilizam esses dias para dar mais visibilidade às questões que envolvem a prevenção e a eliminação da violência contra mulheres e meninas. Nesta terça-feira (25/11), a ONU Mulheres e seus parceiros realizarão eventos marcados pela cor laranja em todo o mundo, para aumentar a conscientização e mostrar solidariedade para com as sobreviventes de abuso. Entre eles, está a iluminação das sedes da ONU em Nova York e em Brasília.

Ao menos 1 entre 3 mulheres sofrem com a violência no mundo. No Brasil, a cada quatro minutos, uma mulher é vítima de agressão, e mais de 43 mil mulheres foram assassinadas nos últimos dez anos, de acordo com pesquisa do Instituto Avon e do Data Popular, Percepções dos homens sobre a violência doméstica contra a Mulher (2013).

O objetivo dessa campanha é desconstruir comportamentos sociais e culturais que exaltam a violência, trazer os homens para participarem dessa luta e mostrar que esse é um problema de todos. Conforme a pesquisa Tolerância Social à Violência contra as Mulheres do Ipea mostra, 58% dos homens concordam, total ou parcialmente, que “se as mulheres soubessem se comportar haveria menos estupros”. E 63% concordam, total ou parcialmente, que “casos de violência dentro de casa devem ser discutidos somente entre os membros da família”. Também, 89% dos entrevistados tenderam a concordar que “a roupa suja deve ser lavada em casa” e 82% quem “em briga de marido e mulher não se mete a colher”.

Ao mesmo tempo, existe uma opinião forte contrária à violência, uma vez que 89% dos homens afirmaram na pesquisa discordar da afirmação “um homem pode xingar e gritar com sua própria mulher”, e 91% acham que “o homem que bate na esposa tem que ir para a cadeia”.

Hoje, cerca de 150 países desenvolvem a campanha dos 16 Dias de Ativismo.  No Brasil, ela é realizada desde 2003 por meio de ações de mobilização e esclarecimento sobre o tema. No país, o início da campanha foi antecipado para o dia 20 de novembro - Dia Nacional da Consciência Negra - pelo reconhecimento da opressão e discriminação históricas contra a população negra e, especialmente, as mulheres negras brasileiras que são as principais vítimas da violência de gênero.

O Valente não é Violento – É uma iniciativa dentro da campanha UNA-SE Pelo Fim da Violência contra as Mulheres, do Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, que conta com o envolvimento de todas as agências da ONU e é coordenada pela ONU Mulheres. Tem como objetivo estimular a mudança de atitudes e comportamentos dos homens, enfatizando a responsabilidade que devem assumir na eliminação da violência contra as mulheres e meninas. Desse modo, a juventude da América Latina e do Caribe poderá ter uma vida livre da violência machista.

A iniciativa convida as pessoas a repensar e transformar os estereótipos, ou seja, as ideias pré-concebidas dos papéis sociais denominados femininos ou masculinos e das crenças sobre o que as mulheres e os homens devem ser ou fazer. Afinal, essas ideias profundamente arraigadas em nossas culturas são a base da desigualdade de gênero, da discriminação das mulheres e, consequentemente, da violência exercida contra elas. “O Valente não é Violento” quer contribuir para a erradicação das práticas culturais danosas e dos comportamentos prejudiciais às mulheres e meninas gerados por pressões de grupos sociais machistas.

 

Casa da ONU – Complexo Sérgio Vieira de Mello

SEN Quadra 802, Conjunto C Lote 17 – Brasília/DF - Brasil


Tag's: Notícia Notícias